27 de abril de 2007

Estranha forma de vida...

"Desde que existe a morte, imediatamente a vida é absurda. Sempre pensei assim”
Foi por vontade de Deus
que eu vivo nesta ansiedade.
Que todos os ais são meus,
Que é toda a minha saudade.
Foi por vontade de Deus.

Que estranha forma de vida
tem este meu coração:
vive de forma perdida;
Quem lhe daria o condão?
Que estranha forma de vida.

Coração independente,
coração que não comando:
vive perdido entre a gente,
teimosamente sangrando,
coração independente.

Eu não te acompanho mais:
para, deixa de bater.
Se não sabes onde vais,
porque teimas em correr,
eu não te acompanho mais.

Amália Rodrigues

1 comentario:

Campurriana dijo...

Paseando por Lisboa, escuchas su voz prodigiosa y te imaginas esa vida de Amália, en un Portugal que nunca llegó a dejar del todo. Una mujer que, según ella, era débil para enfrentarse a los problemas pequeños, y se hacía fuerte en las situaciones más difíciles...

Desde aquí, un aplauso de agradecimiento a esta cantante que sabía acariciar, de una manera especial, los increíbles fados portugueses...